COMO DENUNCIAR A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NA QUARENTENA?

Com a pandemia do novo coronavírus, a violência doméstica cresceu ainda mais. Desde o início do isolamento social, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro registrou o dobro de denúncias que o normal, mas a realidade é que o aumento de violência foi por todo o mundo.

A tensão vivida, a convivência mais intensa, e os problemas na economia, contribuíram para essa violência piorar. Ressalta-se que essa violência não é apenas física, de acordo com o artigo 7º da Lei Maria da Penha, são 5 tipos de violência:

Física: qualquer conduta que ofende a integridade ou a saúde do corpo, como espancamento ou machucados;

Psicológica: qualquer conduta que cause dano emocional, como humilhação e ameaça;

Moral: qualquer conduta que seja calúnia, difamação ou injúria, como acusar de traição, desvalorizar a vítima pelas suas roupas;

Patrimonial: qualquer conduta que restrinja os recursos econômicos, como controlar dinheiro e destruir documentos pessoais;

Sexual: qualquer conduta que constranja a manter uma relação sexual, como forçar uma gravides ou aborto, estupro, e impedir uso de métodos contraceptivos.

Qualquer situação como essas descritas acima, configuram-se como violência, e devem ser denunciadas. Essas denúncias podem ser feitas em diversas plataformas:

Telefones:

– 180: denuncias de violência contra mulheres acima de 18 anos;

– 100: denuncias de violência para vulneráveis, como crianças/adolescentes, e idosos.

Site:

– Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos: basta preencher um formulário.

App:

– Direitos humanos Brasil: disponível para IOS e Android;

– SOS Mulher: apenas para mulheres que já possuem medida protetiva.

WhatsApp:

– (61) 99656-5008: criado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Em caso de violência doméstica, meta a colher sim! É possível utilizar de qualquer um dos canais acima, sem precisar se identificar, apenas é necessário identificar a vítima e o agressor, e o endereço em que ocorre as agressões.